Equipamentos

De todos os setores do mercado de segurança, os sistemas de proteção contra quedas são um dos mais complexos, sendo que cada situação é diferente da outra, exigindo uma solução diferente. É também uma das menos compreendidas e pouco abordado na segurança pessoal e ainda um dos poucos setores onde o resultado de uma decisão errada, quase certamente irá resultar na morte de um trabalhador.

Seguindo a hierarquia da proteção contra queda, conforme o descrito na legislação que regulamenta o trabalho em altura e segurança contra quedas o EPI é o último recurso, porque trabalhar em um ambiente onde EPI contra queda é necessário significa que o trabalhador é inerente ao risco de lesão (ao menos), mesmo com os equipamentos de proteção fornecidos e utilizados corretamente. Regulamentos exigem que trabalhador ser colocado em tal situação onde ele pode ser evitado, e que todas as medidas para eliminar qualquer risco de ser considerado em primeiro lugar.

A outro risco esta na avaliação das atividades, definição e aquisição do equipamento é a crença de que todo o equipamento é o mesmo. A idéia de que cada produto é igual só porque cumpre a mesma norma é ilusão.

Tomemos o exemplo de um arnês (cinto) de corpo inteiro: De acordo com os requisitos europeus a fita de um arnês deve ser capaz de absorver um mínimo de 22kN antes de romper, e deve manter este padrão, a fim de permanecer seguro após o impacto. Estes materiais são expostos aos elementos, os rigores da indústria, onde a manutenção é deficiente. Em uma série de testes independentes realizados, há alguns anos uma grande quantidade de material similares foram submetidos à luz ultravioleta (o equivalente a um ano de exposição media no Reino Unido) e depois foram re-testadas. Quase todos falharam.

Então, é claro que nem todos os produtos são iguais, independentemente dos padrões que eles são testados. Alguns fabricantes apenas cumprem os requisitos mínimos, enquanto que os padrões de qualidade do mercado de assegurar que os materiais utilizados para confecção do arnês são capazes de passar nos testes e depois ser colocado em uso, mesmo nos ambientes mais rigorosos.

O selo CE não é garantia que o produto, seja ele uma corda ou cabo de segurança do sistema auto-retrátil, será seguro depois de 5 meses, muito menos de 5 anos.

Na década de 1990 houve uma mudança de Segurança dos equipamentos e Conformidade.

Isso está sendo visto cada vez mais rigorosa e critica per nossos Profissionais de “HSE”, quanto à os produtores e Equipamentos de Segurança, com a formação de competências para se tornar um usuário do equipamento, independente do nível em que trabalham dentro de uma organização.

O mercado de segurança em altura está finalmente recuperando a ideia de que a vida de uma pessoa é imensurável frente ao custo do equipamento utilizado para protegê-lo, e é isso que está mudando a cara da nossa indústria.

Esta filosofia é documentada por um autor do século 19, John Ruskin, que escreveu:

“Não é prudente pagar muito, mas é desaconselhável a pagar muito pouco. Quando você paga muito perder um pouco de dinheiro.

Quando você paga muito pouco às vezes você perde tudo, porque a coisa que você comprou era incapaz de fazer a coisa que você a pagou para fazer. A lei comum do saldo comercial proíbe pagar um pouco e conseguir um lote. Não pode ser feito. Se você escolhe o menor preço, é bom acrescentar algo para o risco que esta correndo.

E fazendo isso, você tem o suficiente para pagar por algo melhor.”

No contexto de equipamentos contra queda, esta é a melhor síntese.

Projetando a gestão de trabalho em altura:

É ACONSELHÁVEL

Sempre que os requisitos são revistos, seja por um Arquiteto, Engenheiros, Empreiteiro ou Subempreiteiro durante a obra, os profissionais de segurança do trabalho, ou mesmo um administrador responsável, deve ter o entre a equipe um Especialistas em Segurança Altura.

A proteção contra a queda na “Obra” ou no trabalho deve ser uma combinação, rede (se necessário ou possível) e Equipamentos de Proteção Individual (EPI) e itens que possibilite a execução da melhor e mais segura forma as atividades previstas.

Nas demais áreas, um bom exemplo que recomendo é o manual da FUNADACENTRO.

Rodrison Paes
Tec. Segurança
Tec. Ambiente Vertical